Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Diário de um Sobrevivente (Dia 1, parte 2)


16h
Ainda tenho comida para sobreviver por mais ou menos umas 3 semanas, e depois precisarem sair nas ruas para buscar mais alimento. Nisso eu penso mais tarde.
Mas voltando ao que eu dizia, a falta de notícias começou a intrigar muitas pessoas. As autoridades nunca foram muito presentes no cotidiano, mas ainda sim tínhamos algumas notícias desses bastardos, fosse por um roubo de dinheiro público, ou para se gabar de algo feito. Porém, de um modo muito misterioso, todos simplesmente sumiram sem dar maiores satisfações! Assim mesmo, desapareceram! E não foi só na minha cidade, mas no país inteiro. Não se tinha mais notícias de ministros, governadores, e até mesmo o presidente sumiu.
O real descontrole, foi quando a polícia deu lugar ao exército nas ruas. Isso realmente foi foda, afinal de contas, não é todos os dias que vemos. esses soldadinhos de chumbo metidos a autoridade berrando ordens para que ficássemos dentro de nossas casas, e não saíssemos até segunda ordem. Que abuso! E onde estavam as informações? Por que diabos esses merdas ficavam berrando essa ordens? Simplesmente não nos era resevado o direito de saber.. Nossos direitos eram bem claros: cale-se e obedeça.
Enfim, a merda toda fedeu de vez há 2 dias atrás, quando também o exército começou a abandonar a cidade, deixando tudo para traz (quem dera tivessem deixado também os armamentos). Oficialmente a cidade estava abandonada. Sem mais o que fazer, e no desespero, a população começou ir para as ruas, alguns para buscar informações, outros para pedir ajuda, e uns mais para saquear as lojas recheadas de eletrodomésticos, videogames e todas as outras coisas que nos são empurradas goela abaixo, como sendo essenciais para nossas vidas. De que adianta isso tudo, se nem energia temos mais? E foi assim, assistindo a um desses saques, no 4° andar onde fica meu apartamento, que eu vi pela primeira esses seres, e só aí, entendi o motivo de até mesmo o exército ter abandonado a cidade. É como dizia minha mãe, quem tem cu, tem medo. Eu se fosse um soldado, não ficaria arriscando minha vida também.
Foi uma cena apavorante. Um grupo de 3 rapazes estava enchendo um carro com produtos roubados de uma loja, quando ao longe, um grupo de umas 15 pessoas apareceu, andando de forma lenta e cambaleante. Pareciam bêbados, ou drogados. A aproximação foi lenta, mas o ataque foi rápido, e fulminante. Como leões famintos, sedentos por sangue, esse grupo maior atacou os 3 rapazes, sem chances de defesa. Seria um ataque "normal", já que a cidade se tornou um deserto sem lei, se não fosse o fato, de os rapazes terem sido devorados vivos! Assisti a aquela cena chocado, passei mal e cheguei a vomitar na sacada do meu prédio. Uma dessas coisas me viu, e partiu em minha direção. Desde então, tem 2 dias que ele está lá em baixo, com o corpo cheio de sangue, e um naco de carne, provavelmente um pedaço de um daqueles rapazes, pendendo em um dos dentes. Antes fosse só ele, foda é que ele tem chamado a atenção de uns outros, que estão se aglomerando em frente ao meu prédio. Eu não vou mais na varanda, e evito fazer barulho. Espero que em 3 semanas eles já tenham ido embora, senão, a coisa vai ficar realmente feia pro meu lado.
O que tem me pirado mesmo, é a falta de informações.. O que são essas coisas que comem uma pessoa viva? Será que são humanos? Será que tem algo haver com essa tal doença africana? Estou com medo, mas preciso saber se existe ainda algum vizinho meu que está vivo.. Pela primeira vez na vida, sinto falta de alguém para conversar, nem que seja para essa troca de informações..

Nenhum comentário:

Postar um comentário